03/03/18
Vereadores denunciam: Município tem perdido recursos por incompetência
A vereadora Gláucia desabafou sua frustração na reunião desta semana. Reclamou que desde o início do mandato tem procurado a ajuda do Governo do Estado, através do ex-secretário de Saúde, que agora retornou à Assembleia, Sávio Souza Cruz e do atual secretário da pasta, Nalton Sebastião Moreira da Cruz, que têm sempre ajudado a vereadora a trazer benefícios para a cidade. "Mas, infelizmente, estamos perdendo conquistas para Itaúna que não podemos deixar acontecer". Gláucia e o vereador Silvano Gomes Pinheiro conseguiram junto ao Estado recursos, academias para os bairros, mata-burros, mas o Executivo não responde de forma satisfatória com projetos corretos e boa vontade. Uma verba para a saúde no valor de R$ 70.000,00 foi perdida; o mesmo pode acabar acontecendo com a verba de R$ 150.000,00 para asfalto ou calçamento. Para reverter a situação somente com a intervenção Sávio Cruz, que hoje já deixou o governo e retonou ao cargo de deputado. No caso da verba para a saúde, faltou uma assinatura que deveria ter sido dada pelo secretário municipal de saúde, Fernando Meira de Faria, o que fez que o prazo fosse perdido. O secretário municipal estava em Belo Horizonte, na reunião dos vereadores com o secretário de Estado que apontou a falha e falta da assinatura. Fernando disse que não viu que deveria assinar. Gláucia desabafou muito nervosa, diante de tantos erros: "Estamos lutando, todos os vereadores estão conseguindo recursos, estão dispostos a ajudar a Prefeitura, mas está muito difícil. Com 70 mil reais, muitos remédios podem ser comprados, muitas necessidades da saúde que poderiam ser resolvidas, mas deixam perder deste jeito".
A vereadora contou ainda que diante de várias pessoas de Itaúna que foram junto com ela e o vereador Silvano a BH para conversar com Sávio, o subsecretário de Assuntos Municipais, Marco Antônio Viana Leite, perguntou por que na Prefeitura de Itaúna eles não respondem. Disse que mandou uma mensagem sobre a pendência em um projeto, sobre vigas de pontes, mas que não obtém resposta. Três academias ao ar livre esperam para serem retiradas. "Quero muito ajudar, acho que nós nunca conseguimos as portas do governo tão abertas, com tantas facilidades como agora, para que a gente consiga ajuda, mas o que está travando é a Prefeitura. Não gosto de reclamar, mas, agora peço encarecidamente que a Prefeitura olhe esta documentação para que a gente consiga receber os benefícios. Tudo dependendo de coisas pequenininhas. Perguntaram para a gente: não é possível, não sabem fazer um projeto de mata-burro?"
Outra conquista da vereadora seriam kits para entidades com cadeiras de rodas, de banho, geladeira, fraldas, caixas de lâmpadas, etc. "A Prefeitura podia ter trazido este projeto para cá, para todas as entidades receberem estes kits. Pará de Minas conseguiu, Formiga conseguiu. A gente tenta, a gente peleja, a gente procura, a gente precisa muito do apoio. O Legislativo sozinho não faz nada, mas junto com o Executivo dá para construir muita coisa". Gláucia confessou que estava nervosa, no limite.
O vereador Alex Artur, Lequinho, disse que o prefeito Neider Moreira deve receber os vereadores e conhecer todos os erros que estão acontecendo e que veja quem quer trabalhar, "quem não quer, rua".
Otacília Barbosa anunciou que fez pedido de informações sobre os cargos comissionados. A lei municipal determina que 30% destes cargos sejam ocupados por servidores efetivos. Hoje, dos 175 cargos comissionados, apenas 38 são efetivos. A vereadora disse que no ano passo foi à Prefeitura e alertou para isto, mas não observaram nada e continuam os mesmos números.
Otacília disse que o resultado do descumprimento da lei é que a vereadora Gláucia expôs na reunião. "Não valorizam o servidor de carreira e que conhece o serviço e ai acontece isto: incompetência. Se valorizassem os servidores públicos, os efetivos, a metade dos problemas estaria resolvida".
Ela disse que na Controladoria do Município apenas um servidor é efetivo, apesar da importância do setor.
O vereador Silvano disse que os vereadores recebem ajuda do Governo do Estado, mas não estão tendo suporte do Governo Municipal. Segundo ele, o montante das emendas que conseguiu chega a 400, 500 mil reais que pode ser perdido.
São R$ 150 mil reais para calçamento, 21 mata-burros, quatro Tubo armco para construção de pontes, para tirar assoreamento, e três academias. "E nós perdemos 70 mil reais pra a saúde, só por causa de uma assinatura eletrônica que o secretário de Saúde poderia ter feito, mas ele se sentiu envergonhado quando estava presente em BH e os secretários de Estados apontaram o erro e ele disse que não tinha visto para assinar".