11/02/17
Resumo da reunião semanal do Legislativo
Na última reunião do Legislativo os assuntos principais foram carnaval, concurso público da Prefeitura, alterações no trânsito e Autotrans.
Iniciou o vereador Alexandre Campos falando sobre o carnaval. O vereador pediu que a administração municipal repense sobre o carnaval dos bairros e dê apoio e estrutura para que os blocos tradicionais brinquem o carnaval com segurança. Alexandre disse que se o bloco Pau de Gaiola, do centro da cidade, recebeu apoio para seu desfile, não entende porque os blocos dos bairros não tiveram o mesmo tratamento. Alexandre se mostrou preocupado porque teve informações que alguns blocos desfilarão em seus bairros, mesmo sem apoio do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar. Para ele isto é perigoso em se tratando de segurança pública para os foliões e população e "não queremos que o carnaval de Itaúna fique seletista e elitizado". Outros vereadores se manifestaram de forma igual sobre o assunto. Da Lua disse que falou com o prefeito Neider sobre o bloco do Cidade Nova e que o prefeito respondeu: manda a turma sair. O vereador da Lua disse que não é simples assim. Tem que ter o aval da Prefeitura e disse que não entende a implicância de Neider com os blocos dos bairros.
Foi comentado ainda pelos vereadores o convite feito à diretoria da Autotrans para falar sobre o contrato firmado com o Município no fim do ano passado. Ninguém apareceu ou se manifestou pela empresa. O presidente do Legislativo, Marcinho Hakuna, disse que será feita uma notificação formal à empresa que, como concessionária de serviço público, precisa respeitar a Casa de Leis que representa os interesses da população.
O vereador Antônio de Miranda disse que apoia e espera o apoio dos demais vereadores à possível permuta de imóvel onde hoje está a delegacia de Polícia Civil por um novo prédio para a instituição.
Na tarde de terça-feira, esteve com os vereadores os delegados Diego Lopes, Leonardo Pio (regional) e Jorge Pereira para discutirem sobre a regionalização da Delegacia de Itaúna. A proposta apresentada aos edis tratou da venda do imóvel localizado da Praça Dr. Augusto Gonçalves para a construção de uma nova unidade em um terreno localizado no bairro de Lourdes (área externa da Escola Celuta das Neves). Ambos os imóveis são propriedades do Estado.
Sobre a alteração no trânsito que vem acontecendo na cidade a vereadora Otacília Barbosa disse que recebeu abaixo assinado de comerciantes que estão indignados com a retirada de vagas de estacionamento. Segundo a vereadora eles reclamam que perderam muito em suas vendas com a mudança.
Já a vereadora Gláucia Santiago disse que foi procurada por profissionais liberais que reclamaram que não conseguem renovação de alvará de funcionamento por causa da falta de adaptações de banheiros para cadeirantes. Ela informou que em algumas cidades tal exigência está sendo feita apenas para os novos consultórios, novas construções, porque em alguns prédios mais antigos a estrutura não suporta estas adequações. A vereadora pediu aos colegas para juntos encontrarem uma solução para o impasse.
O vereador Antônio da Lua falou sobre o PSF do bairro São Geraldo. Segundo ele, inaugurado há 3 anos, nunca teve qualquer tipo de reclamação e que naquela data recebeu uma reclamação de que a equipe estava desfalcada, com apenas 3 profissionais, quando o necessário são 6 funcionários. Além disto, o contrato de uma técnica do local venceria dia 9 de fevereiro e não havia, até aquela data, qualquer manifestação de renovação. A GAZETA DE ITAUNA, em contato no dia 9, quarta-feira com o PSF, foi informada que ainda não havia nenhuma manifestação da renovação deste contrato.
Da Lua citou ainda uma área descoberta no Posto de Saúde que trazia desconforto aos pacientes.
O vereador Lucinho de Santanense, presidente da Comissão de Direitos Humanos, esteve na semana passada junto com os vereadores Lacimar, Gláucia e Alexandre em uma reunião com os moradores do entorno da Praça da Estação. Lá falaram sobre os problemas da prostituição, tráfico de drogas, reforma do Museu etc.
Lucinho disse que não tem solução. Perguntou como, por exemplo, fechar um hotel que paga em dias suas obrigações? E como este hotel vai escolher seus hóspedes?
Ele acredita que se forem colocadas câmeras de vídeo no local, possam inibir algumas ações, mas é só, segundo ele. "E quem é louco de chegar lá e mandar eles saírem?".
Márcia Cristina, por sua vez, pediu mais atenção com aqueles com sofrimento mental.
Segundo ela, quando estes pacientes entram em surto são levados para o Pronto Socorro do Hospital Manoel Gonçalves e eles ficam entre os pacientes comuns. Pediu que no local fosse reservado pelo menos dois leitos, 24 horas, para este tipo de atendimento.
A vereadora sugeriu também melhor uso para as TVs nestes espaços de saúde como PSFs e o próprio hospital. Para ela elas poderiam ser usadas como canal de informação sobre a saúde pública como por exemplo explicando onde marcar consultas, exames, horários de atendimentos, campanhas de saúde etc, no lugar de novelas ou outra programação.
O presidente da Câmara, Márcio Hakuna disse que concorda que é preciso ter cuidado na retirada dos quebra-molas citando os vereadores Silvano e Toinzinho que falaram sobre o assunto, mas disse que alguns quebra-molas foram colocados sem atender normas técnicas e que outros não têm nenhum efeito. Sobre as alterações no trânsito o presidente da Mesa disse que sempre alguém sai prejudicado nas mudanças que são necessárias mas é preciso ver pelo ponto de vista da comunidade, que é o que prevalece.