11/02/17
TAXA SELIC
Desaceleração da inflação abre espaço para maiores quedas, diz SPC Brasil
Ainda que a inflação oficial medida pelo IBGE tenha aumentado para 0,38% em janeiro, acima dos 0,30% de dezembro, o dado foi o menor para o primeiro mês do ano desde o início do Plano Real. O IPCA foi puxado pela sazonalidade de aumento de preços no mês, com destaque para tarifas de ônibus urbano e intermunicipal e alimentação. No acumulado de 12 meses, a inflação ficou em 5,35%, em forte desaceleração em relação aos 6,29% de dezembro de 2016 e dos 10,71% em janeiro do ano passado.
Para o presidente do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), Roque Pellizzaro Junior, a tendência de desinflação da economia torna mais crível a convergência à meta de 4,5% em 2017, o que abre ainda mais espaço para a queda na taxa de juros Selic para próximo de 10% até o final do ano.
"A manutenção da política monetária vigilante e a queda na demanda estão contribuindo para a queda dos preços. Aliada à evolução, ainda que demorada, do ritmo de confiança dos consumidores e empresários, esses fatores devem ter efeito positivo na evolução do cenário macroeconômico", analisa Pellizzaro.Prefeitura adota nova postura de controle sobre horas extrasA Controladoria-Geral do Município recomendou os secretários de governo de Itaúna criem um controle maior sobre a autorização de horas extras. Segundo um relatório em 2016 foram gastos entre janeiro e dezembro, R$ 1.009.272,04 com horas extras.
Segundo a assessoria de Comunicação da Prefeitura de Itaúna o estudo mostrou que a Secretaria de Administração foi a que mais concedeu horas extras, R$ 317.527,21, ao longo dos 12 meses, mais do que o autorizado pela Secretaria de Saúde para o pagamento de profissionais que ultrapassaram a carga horária, que acumulou o montante de R$ 298.222,47.
 
Nova realidade
Para obter redução dos gastos, a atual administração adotou novas medidas para controlar as autorizações de horas extras e também das diárias de viagens. A Prefeitura acredita que a melhor forma de evitar despesas desnecessárias é a atuação preventiva no controle dos recursos, o que vai refletir na real economia para os cofres públicos já a partir do início do mandato.
Outra prioridade do novo governo é reduzir as despesas com o quadro de pessoal. A intenção, com essa medida, é que os recursos sejam investidos, efetivamente, em mais e melhores serviços à população.