14/07/18
ELEIÇÕES 2018
Pré-candidatos aguardam convenções dos partidos
Vários nomes estão sendo apontados como pré-candidatos para disputar a Assembleia de Minas e a Câmara Federal por Itaúna. Todos os partidos têm intenção de lançar candidatos próprios por causa do financiamento público de campanhas que é a destinação de recursos públicos a campanhas eleitorais e a partidos políticos, proporcionalmente à representatividade desses partidos no parlamento.
Desde 2015, o Supremo Tribunal Federal considerou inconstitucional a doação de pessoas jurídicas; em 2016, as campanhas passaram a ser financiadas somente por doações de pessoas físicas. Já para 2018, a Lei 13.488/2017, votada em outubro de 2017 estabelece a criação do Fundo Especial de Financiamento da Campanha (FEFC), composto por 30% das emendas de bancadas estaduais e também pela compensação paga às emissoras de rádio e de TV por propaganda partidária.
De acordo com a lei, 2% dos recursos dos fundos serão divididos por todos os partidos; 35% partilhados pelas legendas com deputados eleitos, proporcionalmente aos votos recebidos para a Câmara (em 2014); 48% divididos segundo a proporção das bancadas (atuais) na Câmara; e 15% divididos levando-se em conta a proporção das bancadas que atualmente compõem o Senado. Somando esse montante ao Fundo Eleitoral ao Partidário, que financia as atividades dos partidos, as siglas devem contar em 2018 com R$ 2,58 bilhões.
O teto de gastos de campanhas para presidente da República em 2018 é de R$ 70 milhões; para o cargo de deputado federal, R$ 2,5 milhões; e para deputado estadual e distrital, R$ 1 milhão. Para governador, os limites de gastos variam conforme o estado, entre R$ 2,8 milhões e R$ 21 milhões. O mesmo vale para candidatos ao senado, que poderão gastar entre R$ 2,5 milhões a R$ 5,6 milhões.
Em Itaúna, os nomes mais cogitados para pré-candidatos a deputado estadual nos últimos dias (esta lista vai se modificando até chegar o último dia das convenções partidárias, quando os nomes serão definitivos) são Osmando Pereira da Silva, pelo PSDB; Marcinho Hakuna, pelo PSL; Maurício Nazaré, pelo PHS; Issac Vieira, pelo PRTB; Hélio Pinheiro, pelo PTC; Carlos Jota, pelo PSC; Gislene Cássia, pelo AVANTE e Aristides Ribeiro, pelo PTC.
Os nomes que buscarão confirmação de suas candidaturas nas convenções partidárias para deputado federal em Itaúna são Gustavo Mitre, pelo PSC; Alexandre Campos, pelo MDB; Rosse Andrade, pelo PROS; Maurílio de Assis, pelo PPS; Leonardo Lopes, pelo PTB e Gilberto da Saúde, pelo PV.
 
Pré-candidatos ao Governo de Minas
Os nomes também não são definitivos, muita mudança anda pode ocorrer nas convenções de cada partido que deverão ocorrer entre os dias 20 de julho e 5 de agosto. Já para o registro de candidatos o prazo final é 15 de agosto.
Até esta semana os nomes apontados para a disputa do Governo de Minas eram Antônio Anastasia, pelo PSDB; Dirlene Marques, pelo PSOL; Fernando Pimentel, pelo PT; Gabriela Enéas, pelo PMB, Márcio Lacerda, pelo PSB; Rodrigo Pacheco, pelo DEM; Romeu Zema, pelo Novo. João Batista dos Mares Guia, da REDE, desistiu de sua candidatura na última quinta feita.
Para o Senado os nomes são ainda mais incertos. Apontados até na quinta-feira, dia 12 de julho, Adaclever Lopes, MDB; Dilma Roussef, pelo PT; Aécio Neves, pelo PSDB (mas Aécio corre o risco de ser impedido por estar sendo investigado pela Lavajato, o único dos investigados do Senado que pode não concorrer às eleições); Jô Morais, pelo PsdoB; Carlos Vianna, pelo PHS; Duda Salabert, PSOL; e Túlio Lopes ,PCB, Kaká Menezes, pela REDE e Mauro Tramonte, pelo PRB.