20/01/18
Itaúna investiga dois casos suspeitos de febre amarela
Os casos confirmados de febre amarela estão provocando verdadeira corrida aos postos de vacinação em todo o país. Em Itaúna, estão sendo investigados dois casos suspeitos da doença.
Até o ano passado, 60% da população itaunense estava imunizada contra a doença. Com a divulgação de novos casos em várias regiões do país, a Secretaria de Saúde em Itaúna planejou novas ações para o aumento do índice da imunização contra a febre amarela, levando informações e doses da vacina aos lugares mais distantes, como as comunidades na zona rural. Com este trabalho, o índice de imunização alcançou 84% de cobertura vacinal contra a doença. As estimativas apontam que 13 mil pessoas ainda não estão imunizadas, grande parte delas, crianças abaixo dos nove meses, gestantes e idosos, fora, a princípio, do grupo correspondente ao público-alvo.
A dose está disponível gratuitamente nas 22 unidades de saúde, com indicação, principalmente, para crianças, jovens e adultos, além de pessoas que vão viajar para lugares considerados de risco e quem vive ou frequenta a zona rural.
 
Reforço na zona rural
As ações de proteção da população rural e de controle ao mosquito transmissor da febre amarela ganharam reforço desde o alerta emitido pela Secretaria de Estado de Saúde para a regional de Divinópolis, da qual Itaúna faz parte. A cobertura do público-alvo foi ampliada a partir de visitas domiciliares dos Agentes de Controle a Endemias – ACE, às casas, comércios e fazendas. Nesta semana, a mobilização já chegou às comunidades de Córrego do Soldado, Barragem, Lopes, Carneiros, Freitas, Pedras, Brejo Alegre,Vista Alegre, Cachoeirinha e Campos. Nas outras regiões, as abordagens serão a partir do dia 22 de janeiro, próxima segunda-feira.
 
Macaco contaminado em Itatiaiuçu
A confirmação da morte de um macaco por febre amarela em Itatiaiuçu elevou o grau de vigilância da Secretaria de Saúde em toda a zona rural, especialmente nos limites com o Município. O alerta reforça a importância da vacinação para a população com idade igual ou superior a 60 anos e também às mulheres em fase de amamentação. Em ambos os casos, a aplicação da vacina continua sendo orientada a partir da análise profissional nas unidades de saúde, já que há contraindicação em caso de medicação prescrita por médico e a necessidade de suspender a aleitamento materno por até 10 dias após a dose ser ministrada.
A Secretaria Municipal de Saúde reforça que os macacos e micos não transmitem a febre amarela. A morte desses animais, na verdade, é alerta para indicar a presença do vírus e intensificar as ações de controle ao mosquito, único transmissor da doença. Nas cidades, a proliferação da febre amarela pode se dar, principalmente, pela picada do Aedes aegypti, mesmo transmissor da Dengue, febre Chikungunya e Zika.
 
Casos suspeitos em Itaúna
A Secretaria de Estado de Saúde – SES, divulgou na última quarta-feira, 17 de janeiro, que monitora dois casos considerados suspeitos em Itaúna.Os pacientes apresentam sintomas semelhantes de pessoas contaminadas pelo vírus da febre amarela e tiveram amostras de sangue recolhidas para análise laboratorial em 12 de janeiro de 2018 e o material enviado para a Fundação Ezequiel Dias – Funed, em Belo Horizonte, na mesma data. O resultado deve ser revelado nos próximos dias. Nesse período, o secretário municipal de Saúde, Fernando Meira da Faria, tranquiliza a população reforçando que os casos ainda são tratados como suspeita e reforça a importância da prevenção.
 
Contraindicações
A aplicação da vacina não é indicada às gestantes. Também não é aconselhado às pessoas com alergia grave a ovo; as imunodepressivas; as que fazem tratamento a base de corticoides, ou contra o câncer e até mesmo aquelas portadoras do vírus do HIV e que fizeram transplante. Idosos com mais de 60 anos são avaliados nas unidades de saúde em relação à necessidade da administração da dose.
 
Luta contra o Aedes aegypti
A limpeza de lotes e quintais é fundamental para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Em Itaúna, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, mais de 90% dos focos do inseto estão em residências. A orientação é não deixar água limpa parada em recipientes como latas, garrafas, bebedouro de animais, pneus e vasos de planta.
Conforme orientação da Secretaria Municipal de Saúde, a população também pode fazer uso de repelentes de insetos para se proteger do Aedes aegypti e outros mosquitos transmissores da febre amarela.