28/10/17
Em Caeté será inaugurado hoje memorial da Irmã Benigna
O "Memorial da Irmã Benigna" será inaugurado hoje, 28 de outubro, às 11h, com missa presidida pelo arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo. O evento acontecerá em Caeté (MG) e reunirá devotos vindos de diversas regiões, especialmente de cidades do interior de Minas onde a freira morou e trabalhou (Itaúna, Diamantina, Lavras, Bom Sucesso, Lambari, etc.).
Construído no Recanto Monsenhor Domingos (Rodovia MG 435 Km 6, Caeté/MG), o Memorial da Irmã Benigna integrará o complexo próximo à Serra da Piedade, que engloba ainda a Capela onde fica a Cripta com suas Relíquias. A ocasião marcará também os 36 anos de falecimento da religiosa nascida em Diamantina e cuja história é estudada na fase romana de processo de beatificação iniciado pela Arquidiocese de Belo Horizonte.
Irmã Benigna nasceu em Diamantina, no dia 16 de agosto de 1907. Aos 28 anos, em 11 de fevereiro de 1935, ingressou na Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade, fundada por Monsenhor Domingos Pinheiro, congregação Mariana e mineira. Trabalhou em diversas casas da congregação e, por onde passou, levou fama de santidade.
Sem fazer acepção de pessoas, estava sempre disponível para ajudar e acolher, a todos ensinava o valor da oração. Abdicava de si para cuidar do necessitado, a qualquer hora. Através da sua fé, caridade, humildade e a força de suas orações, principalmente a Salve Rainha que rezava com todos, levou muitos à conversão, transformando pessoas, famílias e situações. A todos ensinou a piedade, a fé, o amor a Deus e a Nossa Senhora. Em vida ela já era considerada Santa. Irmã Benigna faleceu em 16 de outubro de 1981, em Belo Horizonte.
Devido ao grande número de milagres atribuídos à sua poderosa intercessão, foi aberto o Processo de Beatificação em 15 de outubro de 2011.
As relíquias da Serva de Deus Benigna (Irmã Benigna) encontram-se na Cripta do Ressuscitado, na Capela São Luiz, situada no interior do Recanto Monsenhor Domingos. O local foi escolhido para abrigar as relíquias e o seu Memorial, por ter sido a primeira casa da congregação e onde morou a Irmã Benigna por dois períodos de sua vida, além de ser próxima à Serra da Piedade. Um lugar especial que remete a momentos de reflexão, fé, espiritualidade e oração.
Trabalho em Itaúna
A Casa de Caridade Manoel Gonçalves de Souza Moreira, em Itaúna, foi o primeiro local onde Irmã Benigna trabalhou. Aqui fez os votos perpétuos no dia 6 de janeiro de 1941, e diplomou-se em enfermagem. Em 1º de janeiro de 1943, foi nomeada madre superiora, assumindo, então, a direção hospital, ainda funcionando no antigo prédio que hoje está quase por completo demolido. Em seu novo cargo, fundou uma maternidade que deu assistência às mães carentes. Depois de 12 anos de dedicação e trabalho, Irmã Benigna encerrou sua missão em Itaúna.
Como a maioria dos santos, Irmã Benigna também sofreu calúnias, tais como os rumores de uma possível gravidez e a acusação de ser uma freira comunista, e no ano de 1948, foi transferida em uma viatura policial para o Asilo São Luiz, na Serra da Piedade, em Caeté, onde soube da demolição da maternidade em Itaúna.
 
 
Orações ensinadas por irmã Benigna
1ª) A NOVENA DE FOGO: Rezar 9 "Salve Rainhas", de hora em hora, 9 horas seguidas. Aviso: A Novena de Fogo deve ser feita sem interromper a sequência das horas, sendo que, a cada hora, reza-se 9 Salve Rainhas.
 
2ª) DEVOÇÃO: NOVENA DAS 90 "SALVE RAINHAS"*
São duas formas de se fazer a novena das 90 Salve Rainhas:
1ª) Reza-se a oração da "Salve Rainha" várias vezes ao dia, até inteirar as 90 "Salve Rainhas".
2ª) Reza-se, de uma só vez, as noventas "Salve Rainhas", pedindo a Irmã Benigna que interceda junto a Deus e a Nossa Senhora para que a graça desejada seja alcançada.