29/07/17
Dois são detidos em operação contra sonegação de impostos em Itaúna
A força tarefa formada por representantes da Secretaria de Estado de Fazenda (SEF/MG), Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Advocacia-Geral do Estado (AGE) e Polícia Civil deflagrou a "Operação Crime da Moda" nesta quinta-feira, dia 27 de julho, em Itaúna. Outras cidades como Contagem e Montes Claros também foram alvo da mesma operação.
Em Itaúna, a empresa Griff, com sede no bairro Universitário, teve seu gerente preso, juntamente com a sua namorada. Os nomes não foram divulgados. Na casa do suspeito, a operação apreendeu um carro de luxo e documentos. Segundo a força tarefa o gerente é suspeito de ser o cabeça do esquema de sonegação fiscal e foi levado. A namorada não é suspeita de ajudar no esquema, mas foi levada por tentar dificultar a entrada dos policiais no imóvel.
Segundo o delegado Diego Lopes, de Itaúna, os documentos foram apreendidos por determinação judicial para que a Receita Estadual possa buscar as provas da sonegação. O carro, que é de luxo e de valor alto, não está no nome de nenhum membro da casa e com o licenciamento em atraso, por isso foi removido sob suspeita de ser fruto de lavagem de dinheiro.
"Na empresa, os fiscais e auditores da Receita Estadual checaram as mercadorias e copiaram as informações do computador. Ao cruzar os dados entre a circulação de mercadorias e o porte das empresas, a Receita Estadual descobriu que pequenas empresas de Itaúna emitiam milhões de reais em notas fiscais para grandes atacadistas do Ceasa na região metropolitana de Belo Horizonte.
As empresas seriam usadas para sonegar ICMS. Eram usadas como laranjas na compra de mercadoria e não recolhiam o ICMS e quando faziam a venda também não recolhiam o imposto, deixando assim o estado no prejuízo com o tributo. Estima-se que o valor sonegado chegue a R$ 20 milhões, segundo avaliou o superintendente regional da Secretaria de Estado da Fazenda Eduardo da Silva Mendonça".